Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , ,

Para o meu aniversário, que será no dia 15 de abril, meus queridos pais resolveram me antecipar o presente: Entrei em um novo curso de Interpretação, concentrado nas técnicas de Atuação de Michael Chekhov. O curso começou no domingo passado, em Studio City, no Chekhov Studio International, e é ministrado pela Marjo-Riikka Makela. (Já mencionei a presença dela em outras ocasiões. Lembro de ter explicado sua influência em relação às minhas perspectivas cinematográficas.)

No primeiro dia de aula, entre regras, dicas e rascunhos, fiquei encarregada de pesquisar profundamente as peças do dramaturgo russo Anton Chekhov, tio do ilustríssimo ator Michael Chekhov. Minha tarefa consiste em escolher algum personagem de qualquer uma das peças de Chekhov, para trabalhar ao longo do curso… Por enquanto, estou com Natasha na cabeça, que torna-se esposa de Andrei na peça AS TRÊS IRMÃS. Não é nenhum papel principal, mas julgo extremamente importante, pois ela é a bobinha da história, que ao longo da peça manipula toda a situação e ao final todas As Irmãs acabam dependentes dela.

Já que necessito buscar forma para Natasha, no domingo, pensei… Também preciso criar um personagem com caracterização física de origem animal, para hoje. Por que, então, não unir o útil ao agradável?

Às quinta-feiras, não tenho aula. Para aproveitar o dia, reli algumas peças de Chekhov, conheci Uta Hagen e Stella Adler e viajei por suas biografias e técnicas de interpretação ao longo dos anos. Procurei saber mais sobre outras teorias, anotei e finalmente escolhi um personagem Chekhoviano.

Após várias pesquisas sobre o Exercício do Animal de Lee Strasberg, concluí que além de ser possível criar um personagem a partir de um animal, prefiro a possibilidade de incorporar um animal em algum personagem com características pré-estabelecidas.

Meu personagem, por enquanto, é Natasha. Busquei suas características psicológicas e tentei compará-las às de algum animal: No Primero Ato, ela é motivo de risada, brega, cafona, fora de moda, inocente, menina do interior. O irmão das IRMÃS é Andrei, que se apaixona perdidamente por Natasha e declara todo o seu amor. No Segundo Ato, eles estão casados e já tem um bebê. As IRMÃS aceitam a situação por conta do irmão, mas são extremamente contra a relação. Natasha vira amante do chefe de Andrei. No Terceiro Ato eles já tem dois bebês e ela revela-se extremamente manipuladora, mesquinha. A única coisa com que se preocupa a peça inteira são os filhos, que aos poucos vão tomando conta dos quartos das IRMÃS. No Quarto Ato ela é a única, na peça, que alcança todos os seus objetivos de vida e domina a casa.

Portanto, penso que não foi preciso nenhum Zoológico para assimilar o comportamento de Natasha com uma gata. Por vezes traiçoeira, manipuladora, mesquinha, pronta para o ataque, mas também com um jeitinho inocente. A gata sempre consegue o que quer, domina a casa, e quando tem filhos perto, sai-de-baixo, que a bichinha vira Mãe-Fera. Como quis aplicar minha escolha à algum bicho do Zoológico, pensei em algum outro felino, como leoa, tigresa, pantera, mas elas, de inocente, não tem nada, nem cara. Tampouco quis um animal batido. Gato já é banal, por conta da Mulher-Gato, mas penso que meus motivos são bem justificáveis, por isso estou tranquila. Não sei o que o professor dirá de minha escolha, principalmente porque a idéia inicial não contava com uma personagem, nem características pré-estabelecidas. Mas acredito que minhas pesquisas, ao final, valeram a pena.

Com sorte, receberei um feedback para o personagem de domingo…