Tags

, , ,

“E o Oscar vai para…” (Wayra Schreiber?)

Criatividade é tudo. Imagine o “E se…”!

Feche os olhos e imagine-se no Kodak Theatre, atravessando o tapete vermelho, as escadarias, as estatuetas douradas de decoração, as câmeras, os flashes, sente que o coração está pulsando forte, os arrepios são constantes, o ritmo da respiração aumenta. Finalmente você encontra o seu lugar na primeira poltrona da platéia, perto do palco, na área central, e senta como um bom espectador. Ao seu lado estão os queridinhos da América, Angelina Jolie e Brad Pitt, do outro lado senta o George Clooney solteiríssimo dando uma piscadinha a la “How’re you doin?”, e atrás de você está a Meryl Streep te cumprimentando pela bela interpretação no filme indicado.

A abertura do show para o OSCAR de 2012 inicia pontualmente às 19h30 em Hollywood. Os discursos e vídeos são muito bem bolados, mas você está preocupado, pensando seriamente no Prêmio que tem a receber. Será que você é melhor do que quatro outros monstros das câmeras? Será que você vai ganhar o prêmio desta noite? Será, será, será? A expectativa é grande e por isso, eles deixam para entregar as estatuetas por último.

Você fica nervoso, começa a suar frio, não consegue prestar atenção em nada a não ser nos pensamentos que vem em relação ao prêmio. Surge então a retrospectiva em sua mente de toda a produção, os bastidores, a filmagem. Quando começam a dar os discursos sobre quem deveria ganhar os Prêmios, seus ouvidos não são capazes de escutar nem o que está sendo dito, nem as pessoas ao seu lado dando força e emanando vibrações positivas. O mundo fica mudo de repente. Todos de levantam, e de pé, aplaudem ao Vencedor de Melhor Atriz e Melhor Ator e o desespero começa a bater em sua porta porque você não consegue ouvir nada. Eu só ouço uma musiquinha idiota que parece ser do meu celular. Tiro o celular da bolsa e não consigo desligá-lo. Por mais que eu aperte o botão Desligar, a musiquinha continua. Que coisa mais estranha! Cadê meu Prêmio? E o que essa musiquinha tem a ver? Por que todos estão sumindo? O que é isso? Mas como? Hã?

DESPERTADOR: Hora de acordar, Wayra (Droga!) – Só mais 15 minutinhos, por favor! – Meus olhos fecham novamente e tudo aquilo sumiu, não volta mais. Aperto mais um pouquinho os olhos, para tentar trazer aquele momento novamente e… Nada, nichts, nothing, niente. Passou! (E isso realmente aconteceu!)

  O importante é pensar nas possibilidades, principalmente se o Prêmio realmente fosse destinado a mim. Ou se, o Prêmio não tivesse saído, mas eu fosse convidada para um jantar com George Clooney, ou se a Meryl me convidasse para encenar com ela em seu próximo filme. Sei lá. A vida é assim, às vezes a gente vive sonhando e se perde no tempo.

Mas aproveitando este post, e já que o Prêmio, aparentemente não foi meu, desta vez, (pois o perdi mais uma vez para a Streep), vou listar aqui os Vencedores do Oscar de 2012:

MELHOR FILME
The Artist, de Michel Hazanavicius

MELHOR ATOR
Jean Dujardin por “The Artist”

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Christopher Plummer por “Beginners”

MELHOR ATRIZ
Meryl Streep por “The Iron Lady”

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Octavia Spencer por “The Help”

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO
Rango, de Gore Verbinski

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Dante Ferretti (Production Design), Francesca Lo Schiavo (Set Decoration) por “Hugo”

MELHOR FOTOGRAFIA
Robert Richardson por “Hugo”

MELHOR FIGURINO
Mark Bridges por “The Artist”

MELHOR DIRETOR
Michel Hazanavicius por “The Artist”

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Undefeated, de Dan Lindsay e TJ Martin

MELHOR DOCUMENTÁRIO DE CURTA-METRAGEM
Saving Face, de Daniel Junge

MELHOR MONTAGEM
Kirk Baxter e Angus Wall por “The Girl with the Dragon Tattoo”

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
A Separation (Irã), de Asghar Farhadi

MELHOR MAQUIAGEM
Mark Coulier e J. Roy Helland por “The Iron Lady”

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
Ludovic Bource– “The Artist”

MELHOR CANÇÃO
Man or Muppet – “The Muppets” (música e letra de Bret McKenzie)

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO
The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore, de William Joyce e Brandon Oldenburg

MELHOR CURTA-METRAGEM
The Shore, de Terry George

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
Philip Stockton e Eugene Gearty por “Hugo”

MELHOR MIXAGEM DE SOM
Tom Fleischman e John Midgley por “Hugo”

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Rob Legato, Joss Williams, Ben Grossman e Alex Henning por “Hugo”

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Nat Faxon, Alexander Payne e Jim Rash por “The Descendants”

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Woody Allen por “Midnight In Paris”

Se tiverem alguma discórdia em relação aos Prêmios, adoraria saber sobre suas críticas e motivos.